Avenida Koeller, 260
Petrópolis (RJ),
CEP: 25685-060

cmv@petropolis.rj.gov.br

(24) 2246-9235

CMV planeja suas atividades para 2018

A Comissão Municipal da Verdade de Petrópolis pretende dar continuidade às suas atividades no ano de 2018 com o desenvolvimento da pesquisa, mediante a realização de entrevistas, de levantamento em fontes impressas (jornais, atas, fichas de empregados, etc.) e a divulgação parcial dos resultados alcançados, a exemplo dos testemunhos no portal e na página do facebook, de palestras, aulas e seminários.

Ouvir a sociedade civil de Petrópolis é fundamental e, para tanto, estão previstas duas audiências públicas da Comissão no decorrer do ano de 2018, uma para receber documentos, fotos, ouvir demandas e informações de qualquer pessoa interessada em resgatar o passado sob a ditadura militar, outra para a Comissão prestar contas de suas atividades.

Instituída pela Lei Municipal n.o 7.207/2017, nomeada pela Portaria Municipal no. 2.307/2015, a Comissão dedica-se a apurar e esclarecer crimes e graves violações de direitos humanos cometidos durante o período da ditadura militar (1964-1985).

Além de participar da tramitação do processo de tombamento do imóvel que sediou a “Casa da Morte”, solicitado ao Conselho Municipal de Tombamento do Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico em outubro próximo passado, a Comissão atua no Grupo de Trabalho para a Desapropriação da “Casa da Morte”. O objetivo final do Grupo, alcançada a desapropriação, consiste na futura transformação do imóvel em Memorial da Resistência à Ditadura Militar e garantir a manutenção das condições do patrimônio histórico, enquanto importante elo de memória de um período que precisa ser lembrado publicamente.

Trata-se de uma iniciativa articulada com outros movimentos e coletivos do Estado do Rio de Janeiro: desde 24 de novembro, a Comissão integra o Grupo de Trabalho sobre Espaços de Memória, composto inicialmente pelos movimentos/entidades “Ocupa DOPS”, “Coletivo memória, verdade e Justiça” e “Centro de Memória do Sul Fluminense”.

Leia também a matéria no G1.

Share